Terça, 10 de dezembro de 2019
75 8846-8150
Brasil

04/08/2019 às 14h42

102

Rodrigo Mario

Valança / BA

Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal Moro
Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal Moro
 Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal Moro

 



 



Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal


Moro afirma que omissão da palestra foi “puro lapso”



[Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil



Por Catarina Lopes no dia 04 de Agosto de 2019 ⋅ 12:00




O ministro da Justiça, Sérgio Moro, omitiu, ao prestar conta de suas atividades quando era juiz da Operação Lava Jato em Curitiba, uma palestra remunerada que deu em setembro de 2016, segundo a nova divulgação de mensagens entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol pelo aplicativo Telegram, parte do pacote do site The Intercept Brasil. Em resposta ao jornal Folha de S.Paulo, Moro afirmou que a omissão da palestra pode ter ocorrido por “puro lapso”, e que parte do cachê recebido foi doado a uma entidade beneficente.


O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, responsável por revisar os processos de primeira instância do Paraná, informou à Folha que Moro declarou ter participado de 16 eventos externos em 2016, incluindo nove palestras, três homenagens e duas audiências no Congresso Nacional. Porém, nesta relação de eventos, não está a palestra mencionada na mensagem enviada ao procurador Dallagnol pelo Telegram em 22 de maio de 2017.


Moro disse a Deltan que um executivo do grupo Sinos de comunicação queria seu contato para fazer um convite. “Ano passado dei uma palestra lá para eles, bem organizada e bem paga", escreveu o então juiz. “Passa sim!”, respondeu Deltan. Uma pessoa que teria participado da organização disse à Folha que Moro ganhou um cachê entre R$ 10 mil e R$ 15 mil. Segundo a assessoria de imprensa do tribunal, Moro não declarou remuneração pelas palestras que informou, dando a entender que foram gratuitas.




Uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Justiça torna obrigatório para juízes de todas as instâncias que palestras e outros eventos, considerados como “atividades docentes”, sejam registrados. Os juízes têm 30 dias para informar sua participação e devem registrar data, assunto, local e entidade responsável pela organização, mas não são obrigados a declarar se essas atividades foram remuneradaMoro afirma que omissão da palestra foi “puro lapso”



[Vaza Jato: Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil



Por Catarina Lopes no dia 04 de Agosto de 2019 ⋅ 12:00




O ministro da Justiça, Sérgio Moro, omitiu, ao prestar conta de suas atividades quando era juiz da Operação Lava Jato em Curitiba, uma palestra remunerada que deu em setembro de 2016, segundo a nova divulgação de mensagens entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol pelo aplicativo Telegram, parte do pacote do site The Intercept Brasil. Em resposta ao jornal Folha de S.Paulo, Moro afirmou que a omissão da palestra pode ter ocorrido por “puro lapso”, e que parte do cachê recebido foi doado a uma entidade beneficente.


O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, responsável por revisar os processos de primeira instância do Paraná, informou à Folha que Moro declarou ter participado de 16 eventos externos em 2016, incluindo nove palestras, três homenagens e duas audiências no Congresso Nacional. Porém, nesta relação de eventos, não está a palestra mencionada na mensagem enviada ao procurador Dallagnol pelo Telegram em 22 de maio de 2017.


Moro disse a Deltan que um executivo do grupo Sinos de comunicação queria seu contato para fazer um convite. “Ano passado dei uma palestra lá para eles, bem organizada e bem paga", escreveu o então juiz. “Passa sim!”, respondeu Deltan. Uma pessoa que teria participado da organização disse à Folha que Moro ganhou um cachê entre R$ 10 mil e R$ 15 mil. Segundo a assessoria de imprensa do tribunal, Moro não declarou remuneração pelas palestras que informou, dando a entender que foram gratuitas.


Uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Justiça torna obrigatório para juízes de todas as instâncias que palestras e outros eventos, considerados como “atividades docentes”, sejam registrados. Os juízes têm 30 dias para informar sua participação e devem registrar data, assunto, local e entidade responsável pela organização, mas não são obrigados a declarar se essas atividades foram remunerada



FONTE: METRO1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Big Brother Brasil

Big Brother Brasil

Blog/coluna Tudo sobre a casa mais vigiada do Brasil em um só lugar!
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Contador de visitas